Visconde de Taunay

Alfredo d’Escragnolle Taunay, retrato do Museu Imperial de Petrópolis, via Wikimedia Commons

TAUNAY, Alfredo d’Escragnolle (Visconde de Taunay)

Nascido e falecido no Rio de Janeiro (22/02/1843 – 25/01/1895). Filho do comendador Félix Emílio Taunay e Gabriela d’Escragnolle Taunay.

Bacharel em letras pelo Colégio Pedro II (1858). Em 1861, assentou praça no 4.º Batalhão de Artilharia da Escola Central. Alferes-aluno em 1862. Interrompeu o curso de engenharia militar em 1865 para participar da comissão de engenheiros enviada, sob o comando do tenente coronel Miranda Reis, à Província de MT, invadida por tropas paraguaias. Esteve presente em toda a campanha na região, sendo responsável pela redação do diário que lhe serviria para, mais tarde, escrever o grande livro A retirada da Laguna (1871), inicialmente publicado em francês.

De retorno à Corte, lecionou na Escola Militar durante algum tempo, após o qual voltou ao teatro de operações no Paraguai, integrando o Estado-Maior do Conde d'Eu, na última fase da guerra. Novamente redigiu o Diário do Exército, e tomou parte ativa nos combates da Campanha das Cordilheiras.

Eleito deputado geral em 1865. Em 1886, escolhido senador em lista tríplice, afastou-se do Exército. Presidiu a Província de SC, que representava no Senado, e também a do PR.

Em 1889, foi agraciado com o título de visconde de seu nome. Pertenceu à ABL, sendo o primeiro ocupante da Cadeira n.º 13, cujo patrono é Francisco Otaviano. Em 28/05/1869 foi eleito sócio correspondente do IHGB, passando a honorário em 1888. Renunciou em 1891.

Ocupou, no Instituto, com raro brilhantismo, o cargo de Orador.

Deixou obra numerosa e consagratória em vários gêneros. Além do livro antes referido, publicou: Cenas de viagem – Inocência (seu romance mais conhecido) – Ouro sobre azul – Histórias brasileiras – Lágrimas do coração – Mocidade de Trajano – Narrativas militares – Estudos críticos – Céus e terras do Brasil – Reminiscências – Recordações de guerra e viagem – Lições do sertão – O encilhamento – Amélia Smith (drama).

Fonte

  • Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Dicionário Biobibliográfico de Historiadores, Geógrafos e Antropólogos Brasileiros. Vol. 4. Rio de Janeiro. 1993.

Veja também

Livro