Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro

Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro

  • Fazenda, José Vieira. Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. (t. 86, v. 140, 1919; t. 88, v. 142, 1920;t. 89, v. 143, 1921; t. 93, v. 147, 1923; t. 95, v. 149, 1924).

Durante muitos anos escreveu o saudoso patrício dr. José Vieira Fazenda, tratando de assuntos históricos e usos e costumes, monumentos e tradições do Rio de Janeiro, – cidade onde ele nasceu, da qual nunca se afastou, e que lhe mereceu afeto desvelado e constante.

Nesses curiosíssimos e doutos escritos derramou o dr. Fazenda imensa cópia de notícias e apreciações bebidas, em meio século de estudo, na consulta meticulosa de arquivos e de velhos documentos mal conhecidos, que fizeram o encanto e a grande preocupação de toda a sua vida.

Como valioso subsídio histórico, e ainda como homenagem prestada a esse laborioso Brasileiro e preclaro bibliotecário do Instituto, julgamos indispensável reproduzir esses trabalhos na nossa Revista.

No presente volume encontrará o leitor os primeiros 86 artigos, dispostos em ordem cronológica, tais como apareceram, e apenas expurgados de uma ou outra leve mácula, devida certamente à pressa e à despreocupação, com que pela maior parte foram escritos currente calamo. Em volumes subsequentes da Revista daremos aos estudiosos o seguimento desta vasta e preciosa contribuição histórica.

Não pareceu conveniente tirar aos trabalhos do autor certo sainete humorístico, com que ele costumava amenizar a narrativa ou o argumento. Com esse caráter, justo é que se conservem, tais e quais os traçou a pena do historiador arqueólogo.

Compõe-se a coleção: dos primeiros artigos que em 1896 publicou sob o titulo geral Au jour le jour; da longa série de folhetins escritos desde 1901 até 1913; e de alguns trabalhos do mesmo gênero estampados pelo dr. Fazenda em várias revistas.

Só deixaremos de incluir os 38 artigos intitulados Os Provedores da Santa Casa da Misericórdia, publicados de Outubro de 1908 a Junho de 1909; esses se acham já reunidos em volume, que veio à publicidade em 1912, por justa iniciativa da Provedoria daquela Irmandade.

Sendo variadíssimos os assuntos tratados pelo autor, e havendo ás vezes matérias diversas num mesmo artigo, desistimos do propósito de os grupar de outra forma. O índice por materiais, com que se rematará esta publicação, compensará o inconveniente da ordem cronológica adotada, e prestará, segundo cremos, bom serviço aos cultores da História pátria, que se interessem por estas preciosas antiqualhas.

Da Direção.

Tomos digitalizados

São Domingos (I)

Aí vão os subsídios, que me foram pedidos pelo infatigável Sr. Dr. Araújo Vianna, a respeito da velha igreja de São Domingos. Possam eles, unidos às criteriosas palavras do douto professor, arredar o caiporismo que pesa sobre esse santuário dos tempos coloniais, e dele afastar a picareta demolidora. Em um dos altares da igreja matriz...

Mais...

São Domingos (II)

A sentença de demolição, que como espada de Dâmocles pesa sobre a igrejinha de São Domingos, saiba ainda o ilustrado Dr. Araújo Vianna, é o último anel de uma longa cadeia de infelicidades, algumas das quais já referi. Construída a capela, dominou esta como senhora absoluta da várzea da cidade além da vala, constituída por...

Mais...

A Aclamação

(12 de outubro de 1822) Proclamada em 7 de Setembro de 1822 a Independência do Brasil, o príncipe D. Pedro dirigiu-se, logo após, de São Paulo ao Rio de Janeiro. Em menos de oito dias transpôs a cavalo a imensa distância, que separa estas duas localidades. Tal foi a pressa da viagem, que foi deixando em caminho...

Mais...

Au Jour Le Jour

Deixem passar o francesismo do título, que hoje começa a figurar nesta página… A nova seção será sempre uma crônica, que se relacione com um fato, ou que o exponha; e o leitor verá de experiência própria o valor dos seus colaboradores. A Igreja da Penitência A Festa das Chagas Eamus ad montem[1] – Põe...

Mais...

3 de Maio de 1823

Cadeia Velha – Programa – Missa do Espírito Santo – Deputação – O dia 3 – O préstito – Entusiasmo – O “Diário do Governo” – Teatro de São Pedro – Maria Graham – Explicações – Alvará – Os carros – Os brilhantes da viscondessa – D. Pedro – Martim Francisco – Dissolução Nesta data,

Mais...

Chegada da Família Real

Grande azáfama ia por esta pacata, leal e heroica cidade, durante os primeiros dias de março do ano de 1808: clero, nobreza e povo andavam em completa dobadoura. A todo momento era ansiosamente esperada a esquadra, que conduzia a Família Real, que, fugindo à invasão de Portugal pelos Franceses, resolvera buscar asilo em terras brasileiras e fixar...

Mais...

Covas e Catacumbas

Vinha de longe a propaganda científica contra o antigo sistema de enterramentos no interior dos templos e suas dependências. As opiniões dos entendidos nulificavam-se ante preconceitos inveterados, usos e costumes, herdados da mãe pátria. Já em Pernambuco, Ferreira da Rosa, por ocasião da primeira epidemia de febre amarela, clamava contra semelhante prática. Mais tarde José...

Mais...

Funeral da Imperatriz

(1826) Às 10 horas e um quarto da manhã de 11 de Dezembro de 1826, faleceu no Paço de São Cristóvão a imperatriz Dona Maria Leopoldina. Achava-se ausente seu esposo Dom Pedro I. O monarca havia ido ao Sul, afim de, no teatro da guerra, dirigir as necessárias operações. Durante a longa moléstia da ilustre senhora, o...

Mais...

Barbonos

Lograram, por quarenta anos, os Capuchos franceses o gozo de moradia certa. Não assim os Capuchinhos italianos, Barbonos ou vulgarmente Barbadinhos, os quais reputados pela Câmara e povo, protegidos pelos governadores, não puderam conseguir durante muitos anos casa própria, de onde pudessem partir em cumprimento de sua árdua missão de catequistas. Mal se compreende hoje,...

Mais...

Santa Teresa – A Nova Linha

Conversemos sobre a inauguração da ferro-carril Carioca. Uns falarão da festa, descreverão toaletes: outros informarão sobre a amabilidade dos diretores da Companhia; estes, pondo em contribuição as obras da eletricidade, dirão os milagres desta em prol da civilização e do progresso; finalmente alguns mais práticos provarão as vantagens da tração elétrica sobre a do gado muar,...

Mais...

Laranjeiras

Quem te viu e quem te vê, formoso rio sagrado desta terra, o qual, na frase de Rocha Pitta, tinha o privilegio de dar às damas mimosos carões e aos cantores vozes melífluas e arrebatadoras! Beijando os pés das primitivas tabas tamoias, ensombrado pelos altivos jequitibás e corpulentos jacarandás, sobre tuas caudalosas águas deste passagem...

Mais...

Engenho da Pedra

(Inhaúma) De território desmembrado da freguesia de Nossa Senhora da Apresentação, de Irajá, ficou constituída, em 1687, a nova paróquia de São Tiago de Inhaúma, servindo de capela curada o santuário levantado à Senhora da Conceição por Custódio Coelho, e depois cedido por Agostinho Pimenta de Moraes ao vigário geral Dr. Clemente Martins de Mattos....

Mais...

A Lage

Não vem fora de propósito um resumido retrospecto histórico sobre a antiga fortaleza da Lage, principalmente agora que vai ela passando por transformação radical, segundo informou há dias A Notícia, dando minuciosa conta dos melhoramentos, que tornarão este forte importante praça de guerra, de acordo com os progressos da técnica militar moderna. Do ilhéu denominado da Lagem,...

Mais...

As Cadeirinhas

Les dieux s’en vont! – Tudo no mundo fenece! Tais as exclamações que soltei ao ver parada junto da escadaria da Santa Casa uma cadeirinha de cortinas de chita, muito suja e desconjuntada, da qual eram carregadores dois tipos vulgares e que fumavam cigarros permanentes, pensando naturalmente na morte da bezerra. Não eram assim os Godos de...

Mais...

O Aljube

O trecho da atual Rua da Prainha (Atuais ruas Acre e Leandro Martins), compreendido entre as dos Ourives (Atual Rua Miguel Couto) e Camerino (antes – da Imperatriz), teve, em tempos antigos, os nomes de Rua da Valinha e mais tarde do Aljube. O primeiro foi devido à existência de pequena vala, que, servindo de escoamento às águas das chácaras...

Mais...

Morro da Viúva

Amável compatrício apreciador de velharias foi em companhia de amigos dar uma volta pela esplêndida Avenida Beira-Mar. Malgrado o dia carrancudo de Domingo passado chegaram os passeantes “sem acidente” ao Morro da Viúva. Iam em alegre palestra recordando fatos, que tiveram por teatro a Praia do Flamengo (outrora da Aguada dos Marinheiros, de Pedro Martins...

Mais...

Sustento dos Presos

Descritas, sumariamente, as condições materiais das nossas antigas cadeias, não vem fora de propósito as presentes notas sobre a maneira por que eram alimentados os infelizes sujeitos à ação da justiça. Da leitura de grande número de documentos, resulta-nos a convicção de que só excepcionalmente saíam dos cofres públicos quantias destinadas ao sustento dos presos. Existe no...

Mais...

São Roque

I Muito agastado com o povo desta nossa capital deve estar o santo advogado contra a peste. O dia 16 de agosto, consagrado pela Igreja ao antigo e milagroso padroeiro da esmeraldina Paquetá, passou este ano quase despercebido dos cariocas. Se não fossem o zelo e solicitude do bom e digno vigário, o padre Juvenal...

Mais...

Ilha das Cobras

Para suceder a Aires de Saldanha e Albuquerque, foi Luiz Vahia Monteiro nomeado, em 24 de novembro de 1724, e, em 10 de maio do ano seguinte, tomava posse da governação da Capitania do Rio de Janeiro. Militar de merecimento, enérgico, disciplinador, atrabiliário às vezes, pouco adstrito às conveniências sociais e, mais que tudo, à preponderância dos potentados...

Mais...

O Pão de Açúcar

Da nunca assaz celebrada Baía Guanabara destaca-se, como guarda vigilante ou sentinela avançada, esta alta e escarpada penedia de 395 metros, à qual o Visconde de Porto Seguro denominou o “cabucho” do Pão de Açúcar, “Pot de beurre”, chamavam-lhe os franceses, como se lê em João de Lery. O nome prosaico que ainda conserva deram...

Mais...

Cinzas

Depois dos folguedos carnavalescos e das bárbaras tropelias do famoso jogo do entrudo, seguia-se, como ainda hoje em todo orbe católico, a chamada Quaresma. O nosso povo, em sua inata ingenuidade, marcava os sete domingos desta quadra do ano com os nomes seguintes: Anna, Bagana, Rabeca, Suzano, Lázaro, Ramos, na Páscoa estamos. É o tempo...

Mais...

A Rua Estreita

Tratando-se de abrir avenidas, não há administrador que em perícia leve de vencida o nosso atual prefeito. Mais um melhoramento importante acaba ele de fazer, inaugurando outra bela avenida, que vai ser o grande sucesso da presente semana. Sem dilatação gradual, mas segundo os rápidos processos modernos, o Dr. Passos transformou em pouco tempo a...

Mais...

Aniversário de Cabo Frio

Passa amanhã, 13 de novembro, uma data memorável para os povos de Cabo Frio e suas adjacências. Trata-se da definitiva fixação dos Portugueses, em grande parte não aproveitada da capitania de Martim Affonso de Sousa. Refiro-me à fundação de um núcleo colonial, povoação, depois vila, e mais tarde a antiga e nobre cidade de Cabo...

Mais...

Bispo São Jerônimo

I Das 10 para as 11 horas da noite de 7 de Março de 1721 falecia nesta cidade o terceiro bispo diocesano Dom Francisco de São Jerônimo, a quem o rei de Portugal, D. Pedro II, chamava de Santo Jerônimo. Foi sepultado no presbitério da capela da Conceição, no morro do mesmo nome, anexa ao...

Mais...

Rua do Cotovelo

Escritores e poetas, em prosa ou verso, têm celebrado as belezas desta leal e heroica cidade. Porque não poderei também contar o passado da rua em que nasci? Quase rival da Rua do Ouvidor, ei-la hoje decaída, desmoralizada, com o nome na polícia e termo de bem-viver, espantalho constante das autoridades de São José, quartel...

Mais...

Convento da Ajuda (I)

Muito sofreu a velha casa claustral da Ajuda com a revolta de parte da Armada – em 1893. Para exercer misteres da minha profissão entrei pela primeira vez no interior da Ajuda e pude observar os estragos feitos por uma bala no teto do templo e em várias outras dependências do Convento. Apresentava este o...

Mais...

Charita

Fui à terra, que deu nome aos Jacobinos da Regência. Depois de velho, dei em passeador! Quem não o será, tendo por amável companheiro o Dr. Pereira da Silva. Ao convite do meticuloso cicerone, não há resistir. O tempo estava carrancudo. Grossas nuvens envolviam o Corcovado e as montanhas da Tijuca. Tudo pressagiava grande borrasca....

Mais...

Convento da Ajuda (II)

Freiras e o vetusto casarão edificado em terras compradas ao célebre demandista Manuel Fernandes da Costa e aos frades do Carmo, constituem presentemente o prato do dia. Assim como em 1750 chamaram as religiosas a atenção de nossos antepassados com uma entrada principesca, estão elas agora em foco por haverem deixado a antiga residência ocupada...

Mais...

Ajuda e Carioca

Muito embaraçado se verá quem, daqui a cinquenta anos, desejar conhecer as antiguidades da “Avenida Rio Branco” e suas redondezas, se exclusivamente se cingir ao que escreveu o Dr. Felisbello Freire, em sua recente História desta nossa capital. Mais uma vez vou discordar da opinião do ilustre sabedor da História do Brasil, em todas as...

Mais...

Avenida Treze de Maio (I)

I Quem, voltando do Monte do Desterro, se dirigisse ao coração da cidade teria de forçosamente contornar a Lagoa de Santo Antônio, formada pelas enxurradas dos dois morros vizinhos, as quais, estagnadas, permaneciam na parte plana onde acaba de ser aberta a Avenida Treze de Maio, e nas suas redondezas. Foi exatamente por esse tempo,...

Mais...

Avenida Treze de Maio (II)

II Com relação ao suprimento de água potável, vem de muito longe o caiporismo dos habitantes desta nossa Sebastianópolis. Serve de prova o histórico, durante mais de século e meio, dos encanamentos do rio Carioca; este assunto daria material para farto volume, tantos são os documentos inéditos, existentes no Arquivo Público. Desse estudo trataram resumidamente...

Mais...

Avenida Treze de Maio (III)

III O antigo prédio da Rua Evaristo da Veiga, situado junto à igreja dos Ingleses e em cujas lojas esteve conhecido armarinho (A Figura Risonha), foi propriedade e residência dos antepassados do bispo do Rio de Janeiro, D. José Joaquim Justiniano Castello Branco. Ali nasceu, segundo é fama, este nosso prelado e a essa circunstância...

Mais...

Incêndio da Câmara

(20 de Julho de 1790) Há cento e doze anos, na madrugada do dia de hoje, violento incêndio reduziu a cinzas o prédio, onde provisoriamente funcionava o Senado da Câmara, nas casas chamadas dos Telles, na praça hoje Quinze de Novembro. As chamas consumiram o precioso arquivo da cidade, sendo salvos apenas alguns poucos livros e...

Mais...

Avenida Treze de Maio (IV)

IV À proporção que foi sendo aterrada a antiga lagoa de Santo Antônio, surgiam lentamente as edificações da Rua da Guarda Velha (lado ímpar) e das travessas adjacentes. Isto foi feito com muita lentidão; de sorte que, quando pelo alvará de 27 de junho de 1808 teve de ser executado o lançamento para cobrança da...

Mais...

A Cadeia Velha

Grande foi o susto sofrido pelo príncipe regente quando na Bahia soube que se preparava também a Cadeia para receber aqui a Família Real. É que o feio, pesado e pouco estético casarão da Rua da Misericórdia, onde estava a prisão pública, tinha sido destinado para hospedar a criadagem do Paço, ligando-se para esse fim...

Mais...

Santa Luzia

Quantas recordações de infância me desperta o nome da advogada das moléstias de olhos, da qual é, amanhã o dia da festa, comemoração tradicional e antiquíssima por parte dos habitantes desta cidade! Para evitar o sol de Dezembro ia-se a pé, à missa, às 6 horas da manhã, e era de ver-se a romaria imensa...

Mais...

Avenida Treze de Maio (V)

V Feliz como os Lobatos, diziam os capadócios do tempo de D. João VI, porque os tais figurões, além de ocupar vários e importantes empregos, gozavam de todo o valimento do rei e ainda por cima recebiam cada um do erário a soma de dois contos de réis anuais. Eram quatro irmãos e, em 1808,...

Mais...

O Chafariz das Saracuras

Sempre respeitadas e dignas da consideração do nosso povo foram e são, sem engrossamento, atualmente as religiosas da Ajuda. Os poetas e poetastros de outrora as estimavam pela maneira porque eram tratados por ocasião das festas do Natal, quando elas, por entre as grades do convento, lhes atiravam motes, os quais, com prontidão rimados, eram...

Mais...

Avenida Treze de Maio (VI)

VI Apenas preparados os materiais para o levantamento do edifício da nossa emancipação política, já os fautores e operários de tão patriótico cometimento se mostravam desconfiados uns dos outros e desunidos por inimizades, intrigas e calúnias. A cisma teve por arena a Maçonaria, associação secreta, que nesse tempo prestou inolvidáveis serviços à causa da Independência...

Mais...

Jardim da Praça da República

Este magnífico parque, tão mal apreciado pela nossa população, que lhe prefere a Rua do Ouvidor, é, como se sabe, devido à iniciativa do ex-ministro do império e conselheiro João Alfredo, e foi inaugurado em 1873. A área ocupada em sua grande parte por esse imenso horto, e que, segundo o Dr. Pimentel, tem 630...

Mais...

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

No círculo de montanhas, que separado da Baía de Guanabara pelo contraforte do Corcovado, formando a ponta extrema da Copacabana, se estende até os Dois Irmãos, vem se abrir um vale, o mais pitoresco daquelas cercanias. Um regato travesso, descendo do maciço da Tijuca, desperta os ecos com a sua garrulice e conserva a vegetação...

Mais...

Nova Fachada (Convento do Carmo)

Dos angitos Carmelitas do Rio de Janeiro escreveram cobras e lagartos o vice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa e o bispo D. José Justiniano Mascarenhas Castello Branco. Em verdade, muito daqueles religiosos bem podiam ser chamados “fradinhos da mão furada”. A desordem, a indisciplina e as irregularidades pareciam querer dar cabo da antiga casa claustral...

Mais...

Travessa do Paço

Era, para o que lhe havia de dar o Bombacha? Correr por cima dos telhados como lobisomem ou alma penada, com grave susto e abalo dos pacatos moradores dessa travessa (a do Paço) uma das mais lúgubres, sobretudo à noite, das ruas da nossa antiga City. É isto passado o Carnaval, quando o povo havia entrado nos...

Mais...

Largo da Carioca (I)

I Continuando a lembrança dos acontecimentos políticos, com relação à Avenida Treze de Maio, deveria narrar hoje o espancamento que, na noite de 5 de novembro de 1823, sofreu, por engano, David Pamplona Corte Real, estabelecido com botica, na casa n. 15 do Largo da Carioca. Dois oficiais do Exército, para se desafrontarem de injúrias...

Mais...

A Candelária

Foi ontem permitida a entrada de visitantes na igreja de Nossa Senhora da Candelária, que se acha em reconstrução. Igreja de Nossa Senhora da Candelária Vimos ali entrar, sucessivamente, grupos e grupos de pessoas, que iam admirar aquele vasto templo, de uma magnificente construção e de elevada riqueza. Eis um monumento que, no seu gênero,...

Mais...

Praça do Curro

Para comemorar a aclamação de D. João VI e os desposórios do príncipe D. Pedro havia o Senado da Câmara feito construir um grande anfiteatro, no antigo Campo de Santana. Ali realizou a elite em dias de outubro de 1818 pomposas festas populares: cavalhadas, touradas, alardas e danças figuradas. A todas elas assistiram o rei, a Família Real e o corpo diplomático, altos funcionários...

Mais...

A Segunda Imperatriz

Gentilmente convidado pelo emérito artista Sr. Aurélio de Figueiredo, tive o prazer de contemplar o seu mais recente trabalho. Refiro-me ao quadro histórico representando Dom Pedro I, no palácio da Boa Vista, entregando a Miguel de Frias Vasconcelos o decreto de abdicação, na madrugada de 7 de Abril de 1831. Esta tela vai figurar em um...

Mais...

Largo da Carioca (II)

II Os agressores do boticário Pamplona, estabelecido no Largo da Carioca, foram o sargento-mor José Joaquim Januário Lapa e o capitão Zefirino Pimentel Moreira Freire. Este último, em documento impresso em 1861, dá desse fato explicações, as quais podem ser resumidas do seguinte modo: os oficiais contra quem se levantava a oposição (capitaneada pelos Andradas)...

Mais...

Largo da Carioca (III)

III Negras nuvens, nesses princípios de abril de 1831, obscureciam o horizonte político do Brasil, anunciando terrível tempestade prestes a derrocar o edifício da Monarquia, aceita e jurada em 12 de outubro de 1822. No dia 7 rebenta a revolução, que trouxe como resultado a abdicação do 1º imperador e a sua partida para Europa....

Mais...

Largo da Carioca (IV)

IV Entre volumosa papelada de questões do Convento de Santo Antônio encontrei, no Arquivo Público, os autos de vistoria e medição de todos os terrenos situados em redor do morro e pertencentes aos Franciscanos. Com as solenidades da lei teve princípio essa diligência em 25 de outubro de 1735, estando presentes: o ouvidor Agostinho Pacheco...

Mais...

Largo da Carioca (V)

V Devia, dando de mão ao Largo da Carioca, apresentar notas sobre a bernarda ou rusga de 17 de abril de 1832. Desse propósito fui demovido por honrosa cartinha assinada por um antigo morador da Rua dos Latoeiros. O amável missivista pedia com urgência notícias sobre o antigo chafariz, a procissão de Cinzas e o...

Mais...

Ajuda

Protetora dos homens do mar sob a invocação de Nossa Senhora d’Ajuda, não admira fosse levantada nesta cidade, apenas se fundou, modesta ermida desse título, por devotos marinheiros – que frequentavam o nosso porto. Que existiu antiga irmandade, não há a menor dúvida, porquanto, segundo lemos nas Publicações do Archivo Publico, tomo 1º, encontramos um requerimento...

Mais...

A Lampadosa

Das grandes chácaras situadas no campo da cidade[1], além da Vala (Rua Uruguaiana) destacava-se a conhecida pelo nome de Gonçalo Nunes. Era uma vasta superfície, que se estendia desde a atual Rua da Alfândega até a do Cano (7 de Setembro) e Praça Tiradentes, e da Rua do Fogo, antes da Ópera dos Vivos e...

Mais...

Desterro

Um dos cabeços desta cidade, o atual Morro de Santa Teresa, foi outrora denominado Monte Desterro, porque no ponto em que está hoje o convento existiu a ermida dedicada a Nossa Senhora do Desterro. Até aí, dirá o leitor: morreu o Neves; mas há muita gente que pensa haver funcionado ali alguma cafua, alguma casa de...

Mais...

Os Fundadores da Glória, Cláudio Grugel do Amaral

O antigo morro de Lerype (hoje outeiro da Glória), no qual Antônio Caminha fundara a ermida dessa invocação, pertenceu à sesmaria de Julião Rangel de Macedo, cujos herdeiros o venderam à família Rocha Freire. O último possuidor, Gabriel da Rocha Freire, por sua vez o vendeu ao Dr. Cláudio Grugel do Amaral. Por escritura de...

Mais...

Os Fundadores da Glória, O Ermitão Caminha

Grande número dos nossos santuários e templos de hoje deveram a fundação aos chamados ermitãos, indivíduos que fugindo ao bulício do mundo buscavam a solidão das brenhas, e ali, construindo pequenos nichos ao santo ou santa de sua devoção, passaram o resto da existência na prece, olhos volvidos para as coisas do Céu. Houve os...

Mais...

A Glória

Por esse tempo, em 1823, acompanhado por sua família e corte, subia o pitoresco outeiro da Glória o imperador D. Pedro I. Dirigia-se à capela fundada por Antônio Caminha, para dar graças à padroeira desse antigo santuário: pois grave acidente pusera em risco os dias do jovem monarca. A propósito deste fato devo acrescentar que...

Mais...

Fortaleza da Conceição

Em um dos cabeços desta cidade, haviam em 1634 fundado Miguel Carvalho e Maria Dantas modesta ermida, dedicada a Nossa Senhora da Conceição. Junto do santuário foi também, tempos depois, construído um pequeno hospício ou convento, onde por muitos anos viveram Capuchinhos franceses. Expulsos esses religiosos por ordem do rei D. João V, o Bispo...

Mais...

Hospício de Jerusalém

Quem, há poucos anos, passasse pela antiga Rua dos Barbonos veria, ao lado ímpar, acanhado Sobradinho de janelas de peitoril, tendo à ilharga pequena Capela dedicada a Santa Anna. O prédio foi demolido para dar lugar a uma edificação de aspecto moderno. O modesto santuário, convenientemente restaurado, ainda permanece atraindo a atenção pela elegante obra de talha e por...

Mais...

Copacabana

Nessas praias de límpidas areias, trafegadas hoje pelos bondes da “Botannical Garden”, onde em pitoresco promontório se levanta a chamada Igrejinha, branca atalaia a dominar o futuroso bairro Ipanema, existiram, segundo referem cronistas, antigas tabas tamoias. Foram também morada predileta dos socós, e daí o nome, com que foram conhecidos tais sítios, – de Sacópenupan...

Mais...

A Lagoa Rodrigo de Freitas

A denominação de Socopenopan (do tupi “praia batida pelos socós”, na opinião do emérito Dr. Theodoro Sampaio), é muito antiga e figura em várias sesmarias concedidas logo após a fundação da cidade do Rio de Janeiro. Tem esta praia, hoje, o nome de Copacabana. Não é verdadeira a opinião dos que sustentam seja Copacabana corruptela...

Mais...

Rua do Piolho

Acudo pressuroso a responder à questão que me foi proposta pelo infatigável e operoso colaborador da Gazeta de Notícias, signatário do Aqui, Ali, Acolá. Na edição de anteontem, o ilustre M. A., dando notícia do um assassinato cometido em São Paulo no Morro do Piolho, escreveu: “Seria interessante saber por que os piolhos tiveram em tantos lagares...

Mais...

São Joaquim

É para mim sempre de gratas e saudosas recordações esta semana, que vai passando. No domingo seguinte ao dia da Glória, o rapazio do Internato do Colégio de Pedro II, então na Rua de São Francisco Xavier, festejava, na data consagrada pela igreja, o avô de Cristo, o patriarca São Joaquim, antigo padroeiro do Seminário,...

Mais...