Rua do Passeio

RUA DO PASSEIO – Já em meados do Século XVII – diz-nos Felisbelo Freire (História da cidade do Rio de Janeiro) havia um caminho irregular que, do campo de Nossa Senhora da Ajuda, margeava a Lagoa do Boqueirão. Bifurcava-se com a estreita estrada do Boqueirão e dividia os terrenos das áreas de Espanha, na Lapa. Chamou-se aquele caminho, posteriormente, Ilharga da Ajuda e só no Vice Reinado de Luiz de Vasconcelos começou a ser conhecida a vereda por caminho para o Passeio Público ou do Boqueirão – como a recordar a pestilenta lagoa mandada aterrar pelo quarto Vice Rei (1779-1790).

No Dicionário das ruas da cidade, de Plancher (1828), figura com a denominação de Rua do Passeio Público. Em sessão da Ilustríssima Câmara Municipal, de 14 de maio de 1888, sob proposta do vereador José Carlos do Patrocínio, passou a chamar-se Rua Joaquim Nabuco, em homenagem ao grande paladino da libertação dos escravos, Dr. Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo, então deputado pela Província de Pernambuco, notável orador e escritor, que faleceu em Washington (Estados Unidos da América do Norte) a 17 de janeiro de 1910, como representante diplomático do Brasil. Por deliberação do Conselho da Intendência Municipal, de 28 de janeiro de 1892 e edital de 30 de abril do mesmo ano, voltou a ter a antiga denominação de Rua do Passeio. A 21 de janeiro de 1910, pelo decreto municipal n. 759, restaurou- se a nominação – Joaquim Nabuco. O decreto n. 1165, de 31 de outubro de 1917, que aprovou a nomenclatura dos logradouros públicos, restabeleceu o antigo nome.

Fonte

Imagem destacada

  • Rua do Passeio no Guia e Plano da cidade do Rio de Janeiro, 1858, publicado por A.M.Mc. Kinney e Roberto Leeder, via Biblioteca Nacional.

Mapa