Rua Estreita de São Joaquim

RUA SÃO JOAQUIM – ou Estreita de São Joaquim – A desaparecida Rua Estreita de São Joaquim – cuja história está ligada à da denominada – Larga de São Joaquim (atual Avenida Marechal Floriano), cordeou-se em terrenos da chácara da Conceição dos Coqueiros, que foi propriedade de Antônio Coelho Lobo, e de seu cunhado Antônio Vidal de Castilhos, em 1787 e, posteriormente, de Julião José de Oliveira. Teve início na chamada – Ilha Seca, entre os pântanos ali existentes.

Denominou-se em seus primórdios – Rua do Curtume, por causa de um pelame junto à vala, no local das antigas casas ns. 2 e 4. Da Rua da Conceição para a Igreja de São Joaquim (demolida em 1906), foi formada à custa das terras de Manuel de Campos Dias. Desde 1758, com a construção da Capela de São Joaquim, começou a ser conhecida por São Joaquim ou Estreita de São Joaquim, discriminando o povo as duas porções – larga e estreita.

Pela medição a que se procedeu para o aforamento concedido ao alferes Inácio da Costa Machado, em 4 de outubro de 1786, de três braças de chãos de testada na Rua São Pedro, da Vala para o campo se verifica que Manuel Campos Dias (fundador da capela de São Joaquim, doada aos meninos órfãos de São Pedro) possuía terras que confrontavam com aquele terreno aforado.

Até 1852 figura o logradouro em todos os documentos administrativos e forenses com o nome – Rua Estreita de São Joaquim, mas nesse ano, quer a parte estreita, quer a larga, passou a ter uma só denominação – Rua São Joaquim, embora persistissem na tradição oral os dois nomes.

Dos 119 imóveis demolidos de 1904 a 1906, para o alargamento da Rua Visconde de Inhaúma, em sua maioria de antiquíssima construção, mais de vinte foram encontrados em estado de completa ruína e inabitáveis. – (Vide anotação CL).

Fonte

Imagem destacada

  • Rua Estreita de São Joaquim no Guia e Plano da cidade do Rio de Janeiro, 1858, publicado por A.M.Mc. Kinney e Roberto Leeder, via Biblioteca Nacional.

Mapa – Avenida Marechal Floriano

Rua Marechal Floriano