Rio de Janeiro em 1922-1924

  • Rosa, Francisco Ferreira da. Rio de Janeiro em 1922-1924. Rio de Janeiro: Typographia do Annuario do Brasil (Almanak Laemmert), 1924. 222 p. (Coleção Memória do Rio 3 - Reprodução).

Em 1904 o grande Prefeito Passos, desejando um livro descritivo da Cidade do Rio de Janeiro, encarregou de o escrever o Prof. Ferreira da Rosa, que lhe entregou o original em 1905. Neste ano imprimiu-se o livro – edição oficial da prefeitura. Está esgotado, ainda que o não estivesse, já não representaria a Capital da República pelo muito que tem progredido depois daquela data. Esta obra, do mesmo autor, inteiramente nova, é a mais moderna expressão da grandeza e da beleza do Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro – Notícia Histórica e Descritiva da Capital do Brasil pelo Prof. Ferreira da Rosa.

Edição do Annuario do Brasil – Rio de Janeiro

Copacabana

A alta montanha chamada Babilônia, e outros volumes de gnaisse mais ou menos cobertos de vegetação que se estendem na direção da pedra da Gávea, a SO., separam Botafogo do Oceano Atlântico. Para além desses montes correm a costa e praias do Sul do Distrito Federal e os novos bairros de Leme. Copacabana, Ipanema e...

Mais...

Avenida Niemeyer

Esta avenida mede 4.700 metros; é larga, plana, bem calçada, bem iluminada, aberta na rocha, a 35 metros sobre o nível do mar que espuma, festejando-a, sem atingi-la. Cartão Postal "Avenue Niemeyer" Foi tentada esta passagem coleando a montanha em 1891 pela empresa que projetara uma linha férrea de Botafogo a Angra dos Reis, e que rasgou...

Mais...

Floresta da Tijuca

O bonde segue a margem esquerda do rio Maracanã, coleando o contraforte da serra da Tijuca que domina o Andaraí; e, metendo-se pela estrada de três quilômetros com rampas de 10%, e curvas de 14 metros de raio, chega ao Alto da Boa Vista, 358 metros sobre o nível do mar. Pára 1 quilômetro adiante,...

Mais...

O Centenário

Para comemorar o 1.º Centenário da Independência Política do Brasil houve muito quem pensasse numa Exposição Nacional; depois numa Continental Americana; não sei como prevaleceu, em 1921, a ideia de uma Exposição Universal. Vista Parcial Desde logo se tratou do lugar onde deveria ser instalada a Exposição; e, nesta Cidade de 1.116 quilômetros quadrados, com...

Mais...

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Chega-se ao Jardim Botânico logo depois de ter deixado à esquerda a Lagoa Rodrigo de Freitas. A viagem até lá, de bonde, pode consumir 50 minutos; de automóvel uns 20 a 25. Jardim Botânico do Rio de Janeiro - P. G. Bertichem - 1856 É o mais conhecido estabelecimento público brasileiro. Ninguém visita esta Capital...

Mais...

Largo da Carioca

O Largo da Carioca é dos mais antigos logradouros da Cidade. Cronologicamente, é o segundo, sendo primeiro o que hoje se chama Praça XV de Novembro. Já houve aí um Forte, encostado ao morro, voltado para a baía, defendendo o povoado das sempre temidas invasões estrangeiras; já houve aí um Cemitério de escravos, por doação...

Mais...

Pão de Açúcar

Pão de Açúcar é um penhasco de granito brunido pelas tempestades, surgindo do mar, colado à península que separa a barra da Enseada de Botafogo. Tem de altura 395 metros. Serve-lhe de contra forte, ao Sul, a Urca, 224 metros acima do nível do mar, e coberta de vegetação. Até 1817 não ha memória de que alguém...

Mais...

Passeio Público

Existe o Passeio Público desde 1783. Projetou-o o Vice Rei Luiz de Vasconcellos, tendo em vista acabar com o Boqueirão da Ajuda, feio lugar de despejos que infectava aquela beira-mar. Mandou, então, arrasar o Morro das Mangueiras que se elevava ali próximo, onde corre hoje a rua Maranguape; e, havendo com ele nivelado no Boqueirão uma...

Mais...

Quinta da Boa Vista

Confinando com o 13.º Distrito (São Cristóvão), mas ocupando a Sudoeste do mesmo uma área de 1.033.800 m² pertencente ao 14.º Distrito (Engenho Velho), está o Parque da Boa Vista, esplêndido logradouro que foi Quinta Imperial, amplo terreno circundante do Palácio em que residiram sucessivamente El-Rei D. João VI e os imperadores D. Pedro I...

Mais...