As fontes em forma de Stella

Existem na cidade e arrabaldes, no interior dos jardins públicos, diversas neste gênero.

Designavam-se Stella, na antiguidade, as pedras monolíticas colocadas verticalmente, tendo inscrições destinadas a conservar a recordação de fatos históricos. Hoje em dia servem para monumentos funerários e de pedestal para vaso, estatueta ou motivo decorativo, como fonte ou bica para serventia pública.

No Jardim Botânico, colocadas nas encruzilhadas das alamedas, existem seis bicas de ferro localizadas pela administração do dr. J. Barbosa Rodrigues, quando foram executadas as obras do desvio do Rio Macacos, e canalizado e restaurado o reservatório, resultando o crescimento do volume d’água para os lagos, repuxos e fontes. As fontes ou bicas, em forma de Stella, têm, na parte superior, um frontão circular, sustentado lateralmente por uma pilastra, tendo, na parte inferior, um golfinho. No centro do frontão, sai uma cabeça de mulher com duas tranças e seus lábios, transformados em bica, fornecem a água, que se projeta em uma pia semi-circular, com uma caneca presa a uma corrente.


Fonte em forma de Stella na Praça da República

No Campo de Sant’Ana, na praça central do parque, estão colocadas, nos quatro cantos, quatro bicas, em forma de Stella, com canecas presas à corrente para serventia pública.

Elas são formadas por um nicho circular, tendo, na parte superior, um busto de menino. No centro, a bica que despeja a água em uma pia circular.

Fonte

  • Corrêa, Armando Magalhães. Terra Carioca - Fontes e Chafarizes. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1939. 214 p. Ed. do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. (Reimpressão feita pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Coleção Memória do Rio, vol. 4).

Imagem destacada

  • Fonte em forma de Stella no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Mapa