Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil

  • Debret, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sergio Milliet. São Paulo: Livraria Martins, 1940. 2 v. (Biblioteca Histórica Brasileira, 4, 1954).

Aclamação de Dom Pedro I Imperador do Brasil no Campo de Santa Anna no Rio de Janeiro

O sistema liberal estabelecido em Lisboa encontrara simpatias demasiado vivas entre os brasileiros para que não lhes inspirasse a resolução de manter a qualquer preço a integridade de seu território a fim de sonegá-lo à recolonização tentada pelos portugueses. Por isso, reconhecendo no jovem príncipe regente uma tendência natural para a equidade e um devotamento...

Mais...

Aclamação do Rei Dom João VI no Rio de Janeiro

Encontrar-se-á facilmente na cena desenhada, parte dos detalhes já descritos na cerimônia da aclamação de D. João VI. Escolhi o momento em que o primeiro ministro terminou a leitura do voto formulado pelas províncias do Brasil, chamando ao trono do novo Reino Unido o Príncipe Regente de Portugal. O Rei acaba de responder aceito e o entusiasmo geral,...

Mais...

Alimentos levados aos prisioneiros na véspera de Pentecostes

Se a legislação portuguesa, em vigor no Brasil, dispensa o governo da alimentação dos presos, bárbaro sistema que obriga o indigente privado de parentes ou amigos a recorrer à caridade dos transeuntes para sua subsistência, sua sorte deplorável é entretanto suavizada pela filantropia da irmandade da Santa Casa da Misericórdia, que fornece diariamente dois enormes...

Mais...

Catacumbas

O tipo de construção de catacumbas que apresento aqui era ainda tão recente no Rio de Janeiro, em 1816, que se citavam apenas duas igrejas (272) com esse modo de sepultamento estabelecido a expensas dos irmãos, sendo-lhe exclusivamente reservada a perpetuidade. Ao passo que, segundo o antigo costume, o chão destinado às sepulturas era nas...

Mais...

Enterro de uma Negra

A única diferença que existe entre o acompanhamento do enterro de uma negra e o de um homem da mesma raça reside no fato do cortejo se constituir unicamente de mulheres, à exceção de dois carregadores, de um mestre de cerimônias e do tambor. Este carrega um caixote de madeira de tamanho médio, sobre o...

Mais...

Enterro do Filho de um Rei Negro

Não é extraordinário encontrarem-se, entre a multidão de escravos empregados no Rio de Janeiro, alguns grandes dignitários etiópicos e mesmo filhos de soberanos de pequenas tribos selvagens. É digno de nota que essas realezas ignoradas, privadas de suas insígnias, continuem veneradas por seus antigos vassalos, hoje companheiros de infortúnio no Brasil. Esses homens de bem,...

Mais...

Manhã da Quarta-Feira Santa na Igreja

No Rio de Janeiro, como em Roma, as leis da igreja católica relativas à comunhão impõem igualmente ao cura a obrigação de proceder ao recenseamento de seus paroquianos no início da quaresma, a fim de poder controlar mais tarde a obediência dos fiéis no cumprimento dos atos religiosos. Entretanto esse recenseamento é tanto mais complicado...

Mais...

Mercado da Rua do Valongo

É na Rua do Valongo que se encontra, no Rio de Janeiro, o mercado de negros, verdadeiro entreposto onde são guardados os escravos chegados da África. Às vezes pertencem a diversos proprietários e são diferenciados pela cor do pedaço de pano ou sarja que os envolve, ou pela forma de um chumaço de cabelo na...

Mais...

Monumento e cortejo fúnebre da Imperatriz Leopoldina no Rio de Janeiro

Demos na nota da prancha 13 o resumo sucinto da vida da primeira Imperatriz do Brasil, Leopoldina José Carolina Luísa, arquiduquesa, da Áustria, desde a sua chegada ao Rio de Janeiro; terminamos aqui com a cerimônia funerária realizada por ocasião do seu falecimento ocorrido a 11 de dezembro de 1826, às 10 horas e um quarto...

Mais...

Melhorias progressivas do Palácio de São Cristóvão (Quinta da Boa Vista) no período de 1808 a 1831

Quinta Real da Boa Vista ou Palácio de São Cristóvão A quinta real da Boa Vista deve seu nome à sua bela situação e apresenta o duplo interesse da transformação de uma simples casa de campo em palácio real, através de melhoramentos sucessivos determinados pelo crescimento do Brasil. Simples residência de um rico colono, escolhida...

Mais...

Casamento de Dom Pedro I com Dona Amélia de Leuchtenberg, Segunda Imperatriz do Brasil

As aspirações de todos no Brasil e o trono enlutado exigiam igualmente uma segunda Imperatriz. Ao mesmo tempo o sentimento paterno inspirava a Dom Pedro o desejo de dar solenemente mãe adotiva à sua jovem família imperial. Infelizmente, certa desordem na conduta do jovem príncipe, dotado de um gênio e de um temperamento fogoso, e viúvo na...

Mais...

Senhora carregada na cadeirinha indo para a missa

A cadeirinha importada de Lisboa é usada no Brasil como a liteira em França. Servem comumente para as senhoras irem à missa. A cadeirinha do Rio de Janeiro é reconhecível pela sua cobertura sempre enfeitada de ornatos mais ou menos dourados, ao passo que a da Bahia, de parte superior lisa, é em geral menor e mais levemente construída,...

Mais...

Vista do Castelo Imperial de Santa Cruz

O castelo de Santa Cruz, residência de recreio da Corte, situado a onze léguas da capital é uma antiga fazenda dos jesuítas contendo uma igreja e um convento construídos em cima de uma colina que domina imensas planícies entrecortadas de florestas, através das quais passa o caminho para Minas Gerais. Santa Cruz é sem contestação...

Mais...

Vista do exterior da galeria da aclamação do Rei Dom João VI, no Rio de Janeiro

Tanto a timidez natural de D. João VI, herdeiro legítimo da coroa de sua mãe desde fins de fevereiro de 1816, como a distância considerável pela qual o Brasil está separado do continente, foram sem dúvida as causas principais das circunstâncias que atrasaram de dois anos o reconhecimento do Reino Unido de Brasil, Portugal e Algarves....

Mais...